Total de visualizações de página

domingo, 1 de abril de 2018














                      Naiana, na maioria das línguas tupis e guaranis significa Flor do Mel, mas a história da nossa jovem Naiana não tem flores nem é tão melíflua quanto o nome diz. É que jovenzinha já se sentia nela alguma deficiência que a fazia diferentes dos demais jovens de sua idade. Teve dificuldade para falar e entender as coisas, sendo sempre a última dos últimos alunos da escola que frequentava. Esta deficiência, entretanto, era compensada por sua esfuziante beleza. Não é que a garota começou a ter um comportamento estranho? Pois foi sua avó, Camila Alvarenga, que desconfiou de tudo e pôs a neta em confissão. Ela lhe disse que sua mãe a deu ao ex-prefeito para fazer sexo pelo valor de trezentos reais. Indignada procurou o promotor, que estava viajando, sendo aconselhada  a procurar o juiz. 
                No forum, a velha senhora procurou pelo juiz, tendo sido informada que o magistrado, Dr. Sergismundus Fredenandus, um homem sisudo e tido como implacável no combate ao crime, estava ocupado, que não poderia atendê-la no momento. Mas este povo da roça é turrão e insistiu, fazendo muita zoada, dizendo que só sairia dali depois de ser atendida pelo doutor que para isto ela pagava direitim seus impostos. Tanto insistiu e tanto gritou que  o magistrado resolveu deixar seu gabinete para ver de que se tratava. A velha, ao vê-lo, correu até ele pedindo socorro para sua neta. O juiz recuou um pouco com asco, mas logo abriu um tímido sorriso que a anciã interpretou como um  socorro. Apontou para sua neta. Doutô ela é doente e abusaram dela. O meritíssimo parou atolesmado, olhando para Naiana. Chamou-a, venha cá minha filha. A menina levantou-se timidamente e se dirigiu ao juiz. Levou-a para seu gabinete, e dando ordens para não ser incomodado, trancou-se com ela. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário